16 de dezembro de 2018
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Convidados

ESPIRITUALIDADE REVISADA - Por Renato Borba de Holanda
Publicado em: 22 de novembro de 2006, 12:11:06  -  Lido 3209 vez(es)



Caros amigos,

Segue abaixo uma apostila que elaborei tendo em vista minhas buscas, questionamentos e aprendizados atuais. O tema é extenso, chega a ser cansativo, mas vale a pena ler, pois toca em pontos dogmáticos de certas filosofias atualíssimas. Meu desejo sincero é tão somente contribuir com o crescimento de todos e aprimoramento do estudo espiritual. Fico feliz juntamente com aqueles que algo colherem de minhas observações.

Renato.



INTRODUÇÃO

Nesta abordagem sobre espiritualidade, a minha intenção é fazer uma releitura de temas espirituais diversas vezes já abordados. Creio que não haverá novidades, porquanto acredito que em se tratando de assuntos espirituais pouco ou quase nada se tem a acrescentar além do que já foi dito por muitos povos antigos. O que acontece é que as pessoas costumam dar aos temas espirituais uma nova roupagem que atenda aos interesses e modos de pensar do momento atual.

Recordo que fui criado dentro da visão cristã tradicional e quando conheci o espiritualismo vi que, não obstante um enorme véu houvesse sido levantado, a abordagem do comportamento moral e ético parecia seguir a mesma linha de entendimento, onde o termo pecado ganhou uma conotação mais charmosa e até dita científica conhecido por carma. Todavia o sentimento de culpa em relação a alguns temas da vida parecia se apresentar sobre a mesma conotação.

Entretanto a vida nos presenteia com novos conhecimentos, novas maneiras de pensar que nos levam sempre a novos questionamentos. Abaixo seguem dois modos de abordar a questão da vida espiritual, sua moral e sua ética. Fica patente que minha opção é pela segunda maneira de abordar a vida, porém o meu propósito é despertar nas pessoas uma nova necessidade de repensar o tema porquanto acredito o momento atual nos pede que repensemos os valores espirituais, morais e éticos da vida.



A TRADICIONAL FORMA ESPIRITUAL DE PENSAR

Dentro da visão espiritualista tradicional, o ser humano vive num continuo processo evolutivo, onde tem como objetivo principal o fim do ciclo reencarnatório, numa longa caminhada, da sua origem simples e ignorante até o estado angelical próprio dos reinos elevados e dos mundos superiores.

O homem vivendo hoje um estado intermediário de espírito devedor com a Lei irá, através do expurgo de seus carmas negativos e sua necessária reforma intima, evoluir do seu estado de miséria interior até o estado de pureza e bem-aventurança, tal qual aqueles que cumpriram suas metas evolutivas e encerarão seus ciclos de renascimentos físicos.

Este entendimento não obstante ser lógico e racional, trás em seu intimo, a conclusão de que hoje não somos adequados, ideais e completos. Nos leva a concluir que temos um longo caminho de transformações a cumprir, onde deveremos expurgar carmas negativos e transformar as falhas do nosso caráter em algo positivo. Levando, em princípio, ao natural processo de rejeição ou insatisfação consigo mesmo, porquanto dentro do modelo de evolução apresentado ainda estamos muito longe do ideal.

Observando as emoções que transcorrerão desta conclusão acima, vemos que por um lado viveremos a rejeição de si mesmo, quando analisarmos nossas vidas pelo ângulo das nossas características rejeitadas, por outro lado despertaremos o orgulho e a vaidade, quando vislumbrarmos nossas qualidades positivas adquiridas. Tudo sutilmente escondido em nosso mundo interior.

Assim vemos no espiritualismo tradicional, muitas pessoas se sentido com uma sensação de que algo precisa ser feito, que tem que ajudar as pessoas mais humildes e carentes, participar de campanhas assistenciais de caridade, fazer doações a instituições e tudo o mais que for necessário para queimar carmas negativos e adquirir carmas positivos. Aqui deixo claro que concordo tais iniciativas e estas evidenciam um ato maravilhoso de cidadania e amor ao próximo, o que está implícito é a exigência da necessidade: fora da caridade não há salvação e quem não se comporta assim dentro do movimento é egoísta, individualista, levando muita gente a se comportar conforme estes ditames, sem atentar para um desejo nascido dentro do seu coração.

Tantas exigências necessárias para cumprimento de suas metas cármicas levam o homem a um estado de cobrança e insatisfação interior, um sentimento de que muito se tem a fazer, porquanto em seu entendimento há um longo caminho a ser vivido até atingir os supostamente merecidos estados de bem-aventurança.

Muitos perguntaram o que há de errado com os conceitos acima levantados acredito que a única coisa que precisa ser questionada é a maneira de abordar o tema, o anglo em que é observado, a maneira que é analisado. Quanto à verdade da vida espiritual e quanto à verdade do processo evolutivo não há muito o quê se questionar, mas a maneira como estas verdades são entendidas precisam ser repensadas.



A NOVA ABORDAGEM

1 ? Aceitação de si mesmo

Porque o ser humano insiste em achar que alguma coisa esta errada com ele? Porque não aceita seus instintos, seu temperamento, seus gostos e suas tendências naturais? Porque chama pessoas comuns de atrasadas? Porque rejeitam alguns sentimentos? O leão não se sente inferior ao homem. Já pensou se ele questionasse porque ele não é vegetariano? Diria: como sou inferior, não me aceito, não admito que seja assim, tenho que me transformar, evoluir. Estou em crise existencial.

Os humanos têm uma coisa que leão não tem: um ego. Este ego, não admite que as coisas sejam como são, querem um modelo ideal dentro de suas expectativas. Querem ser aceitos, admirados e amados dentro de um modelo estabelecido. Mas veja como seria ridícula a posição de uma criança deprimida porque não tem os conhecimentos que tem o seu pai, ou desesperada porque não tem a força de um adulto. Seria a rejeição de si mesmo, por não se aceitar como é dentro do seu momento e sua fase de criança.

Nesta nova abordagem você necessita partir do princípio que você é completo e adequado neste exato momento de sua vida. Que o jeito que você é, as coisas que gosta, as tendências que tem, o conhecimento que lhe falta, é algo completamente normal. Isso significa a ACEITAÇÃO DE SI MESMO DO JEITO QUE É. Aqui e agora.

Não que você não possa ou precise mudar, mas que a partir de agora você mude o paradigma e reconheça que tais mudanças não são para atender a programas evolutivos ou necessidades cármicas, não é algo que você se sinta incompleto, inadequado, mas pelo entendimento que tais mudanças lhe trarão benefícios pessoais. Isto é uma nova abordagem onde você começa a entender que não precisa adquirir certas características, mas deseja adquiri-las, porque serão características que lhe trarão maior satisfação pessoal.

Você começa a não ver prioridade em tornar-se mais evoluído. Começa a entender que ser bem resolvido consigo mesmo é o mais indicado e, ao invés de se preocupar com metas e objetivos cármicos, ou missões evolutivas, você busca ser feliz consigo mesmo, no momento atual, a partir da aceitação de si mesmo do jeito que é, agora.

2 ? Conhecimento de si mesmo

Porém para se aceitar algo este algo precisa ser conhecido e em se tratando de se conhecer temos um problema, pois normalmente ninguém se conhece. O usual da nossa sociedade é olhar o Mundo de fora, conquistá-lo e depois usufruir daquilo que este mundo tem para dar. É raro alguém procurar olhar para dentro de si e quando o faz é por necessidade, buscando solução para problemas de ordem mental ou emocional.

Motivadas pelo ego, geralmente as pessoas só querem ser aquilo que ainda não são, ou que ainda não encontrarão em si. Normalmente são aquelas qualidades ditas nobres e encontradas nos grandes homens que se sacrificaram pela humanidade, ou aquelas encontradas nos homens que encantaram a humanidade.

Quanto se trata das qualidades rejeitadas e excomungadas pela sociedade, aqueles que as tem, as escondem, tem vergonha e as rejeitam. Quase sempre nem conseguem reconhecer que são daquele jeito. É comum alguém gritar e dizer: ?eu sou muito calmo, mas não me irrite, pois eu posso não me controlar?.Quer dizer, a pessoa não é calma, rejeita sua histeria e ainda se justifica diante dos outros. Pessoas assim sofrem por natureza, pois numa hora rejeita o que é e noutra hora sofre por aquilo que gostaria de ser.

O Ser humano embora seja uma Unidade, também pode ser visto como somatório de pequenas partes de si mesmo, que formam o todo. Em você é possível encontrar o calmo e o agitado, o sossegado e o preocupado, o santo e o profano. Tudo isso e muito mais, criando estados de tensões, duvidas e conflitos internos. Você pode pensar: mais afinal o que eu sou? A humanidade ainda não se chegou a uma definição científica para esta pergunta. O mais aproximado que sabemos que lá na essência somos uma Consciência individualizada que sente e pensa. Por enquanto sabemos que o somatório de todas as qualidades observadas, embora sejam características temporárias, representam parte do que somos, embora sejamos muito mais, vez que temos percepções, sensações, intuições e tantas outras coisas que extrapolam o entendimento comum.

Entretanto não esqueça que O QUE CABE EM UM SER HUMANO, CABE EM QUALQUER UM, logo não tenha a arrogância de dizer: eu sou deste jeito, não sou daquele. Calma, você é tudo, ou pode ser tudo, depende da necessidade, da ocasião, do momento. Não adianta rejeitar-se ou rejeitar alguém por esta ou aquela qualidade, pois isso só traz sofrimento e dor. Lembre-se que a resistência é a base para o sofirmento. Permita-se ser tudo, pois só assim, você não se sentirá nem pior, nem melhor do que ninguém, apenas igual, apenas humano. Abaixo você verá que em determinado nível, na base, na origem, somos todos iguais.

3 ? As forças que movem o Ser

È comum pessoas ditas espiritualizadas acharem que fazem escolhas mais nobres, edificantes e evoluídas que o ser humano tido como comum e medíocre. Na verdade não se pode negar que certas escolhas que tem como base o respeito por tudo e por todos, promovam um ganho para todos, são e devem ser consideradas como nobres, edificantes e evoluídas, contudo atrás deste conceito há uma coisa importante a ser observada, acho que é divisor de águas entre a mentalidade antiga e a nova: em determinado nível, na raiz da questão, são as mesmas motivações que movem todas as pessoas. Do santo ao marginal, do puritano ao prostituído, todos agem seguindo a seguinte fórmula básica: BUSCA DO PRAZER x FUGA DA DOR. Toda a ação do homem, do santo ao marginal, se encerra nesta teoria, ou o homem esta buscando prazer ou fugindo da dor. Sejam quais forem suas escolhas, ele estará buscando prazer ou fugindo da dor em algum desses níveis: espiritual, mental, emocional ou físico. Vejam que na base,
na origem, não existe ninguém melhor do que ninguém. Concordo que mais inteligente, mais astuto, pois a pessoa começa a antever o futuro de suas escolhas atuais. Atrás da preocupação da mãe com o filho; nas horas a mais de trabalho; nos livros lidos; nas relações humanas; nas meditações; nas baladas noturnas ? todos estão buscando prazer ou fugindo da dor.

Como se diz que toda regra tem suas exceções, a exceção neste caso é que algumas pessoas escolhem exatamente o oposto, ou seja, agem fugindo do prazer e buscando a dor. Ao que tudo indica, são formas de condenação e autopunição, motivadas pela rejeição de si mesmo ou rejeição de suas realidades.

4 - Reconhecimento de suas realidades

Evidentemente não é fácil encontrar todas as partes de si mesmo e montar o quebra-cabeça de sua personalidade. Uma das maneiras de conhecer-se melhor é observar todas as coisas com as quais você interage. Atrás destas interações estão suas realidades e seu mundo pessoal.

Entendamos aqui que estas realidades a que me refiro, trata-se das situações com que você interage, tanto a nível externo quanto interno. São as suas realidades espirituais, mentais, físicas e emocionais.

Vivemos diferentes realidades ao mesmo tempo. Na escola, em casa, com a família, com amigos, no trabalho, etc...

Os estudiosos dos conhecimentos espirituais no passado nos instruíram que é a partir do mundo mental que a vida tem início e tudo que antes de se manifestar no físico passa antes pelo mental. Uma casa precisa ser projetada e planejada antes de ser construída. Vivemos diversas realidades criadas por nós e por outras pessoas, todavia as nossas realidades foram criadas nós mesmos, por opção consciente ou inconsciente, por desejo ou por medo.

Você pode não perceber, mas é obvio que você está preso por determinado padrão de energia a todas as suas realidades. A algumas está ligado pelo prazer e satisfação, a outras está ligado pelo medo e pelas necessidades. Mas é lógico que todas as realidades que são mantidas trazem algum tipo de compensação e de retorno.

Procure mapear todas as suas realidades e atrás de cada uma delas, você encontrará um pedacinho de si mesmo. Então procure saber quais são os prazeres ou medos que ligam àquela situação e assim você começará a montar o quebra-cabeça de sua vida, pois sabendo melhor quem você é e aonde este agora é que poderá estabelecer aonde deseja chegar.



5 ? Assumindo a responsabilidade pelas escolhas

Reconhecendo que suas realidades foram construídas através de determinadas escolhas feitas conscientemente ou inconscientemente, escolhas baseadas ora no desejo ora no medo, você começará a ficar pronto para assumir as suas responsabilidades.

Quando você reconhecer que suas decisões foram criadas a partir de decisões pessoais. Que foi você que escolheu fazer determinado curso, trabalhar em certo emprego, viver certos relacionamentos, correr alguns riscos, fugir de outros, deixar-se influenciar por alguém ou influenciar alguém, quando decidiu escolher seu caminho ou deixou que outros o escolhessem, quando preferiu ficar acomodado, ou quando preferiu reagir, enfim quando você reconhecer que você esta sempre escolhendo e assumir que é você o principal, ou até o único responsável por suas escolhas, quando RECONHECER E ASSUMIR SUAS OPÇÕES, a partir deste momento você está pronto para decidir conscientemente seu futuro, pois a partir daí encerram-se as queixas, os culpados desaparecem e você torna-se definitivamente o RESPONSÁVEL POR SI MESMO.

Algumas pessoas dirão que não é bem assim, que muitas vezes não temos opção, temos que seguir a vida, pois tudo já esta estabelecido e só nos resta acompanhar os outros e viver as realidades já existentes, mas observo que dificilmente não se tem mais de uma opção.

A verdade maior é que CADA ESCOLHA TEM UM PREÇO, e pouca gente está disposta a paga-lo. Se o relacionamento ou o emprego não presta, se não vale a pena, então porque não o larga? O que te prende a esta realidade? Quer saber a resposta? É o preço a pagar, você não está disposto a isso, ele é caro demais. Seja sincero consigo mesmo e caso reconheça que o preço de tal escolha é alto demais ou que não vale a pena, ou que é melhor deixar como estar, então para de reclamar, mude o enfoque, veja o lado positivo. O emprego desagradável alimenta sua família, sustenta outra realidade tua, logo ele não é tão ruim assim, ele tem função, ele atende a teus interesses. Reformule seus sentimentos e pensamentos em relação às realidades que julga desagradável, veja que existe algum retorno, algo de positivo, faça isso, assuma suas escolhas, encerrem as queixas, não há culpados, perceba que rigorosamente não existe o certo e o errado, EXISTEM ESCOLHAS E ESCOLHAS TÊM CONSEQÜÊNCIAS.

6 ? A questão do bem e do mal e o problema do certo e do errado

A ultima declaração acima dizendo que não existe o certo e o errado, que EXISTEM ESCOLHAS E ESCOLHAS TÊM CONSEQÜÊNCIAS, leva-nos a mergulhar outra vez na busca de um novo modelo de pensar, pois o modelo espiritual tradicional, refere-se a comportamentos éticos e morais necessários àqueles que desejam adentrar os reinos sublimes da consciência, porém eu insisto em dizer que não existe o certo e o errado como ponto final de uma discussão, digo mais, a maioria das coisas é certa por determinado ponto de vista e errada por outro. É errado roubar? Mas e se for para alimentar seu filho! É errado mentir? Mas e se for para poupar a vida de alguém! Algumas pessoas ajudadas em determinado momento se tornam dependentes. É certo ou errado ajudar? Onde está o limite do sim e do não? Outro exemplo: Aquela vítima que reage e mata o algoz fez o bem ou mal? O certo ou o errado? A sua posição de negligência para consigo mesma seria ato de covardia, de acomodação ou ao contrário seria ação heróica porquanto soube suportar bravamente os desígnios de sua vida. Caso a reação da vítima pusesse fim ao contínuo acumulo de carma negativo praticado pelo algoz, isto poderia ser considerado certo? Observe que um patrão carrasco e ignorante, pode desenvolver a disciplina e a organização, enquanto que o patrão tolerante pode desenvolver a preguiça e a acomodação. Qual o limite da tolerância e da exigência, quando alguém deve ser punido ou mesmo ter outra chance?

Todas as perguntas acima abrem margem para o contraditório, não haverá um ponto final, haverá opiniões é claro, mas nenhuma das possibilidades ficará sem defesa.

Sabemos que para muitas situações de nossas vidas, hoje existe o consenso, as Leis, as normas de conduta, mas não podemos deixar de questionar se tal consenso poderia ser reprovado por seres de outras eras, ou de outras civilizações.

Não esqueçamos que as culpas, os pecados, surgirem de determinadas interpretações daqueles que detinham o poder político e religioso em tempos atrás. Não esqueçamos que pessoas foram queimadas por serem consideradas bruxas. Não esqueçamos que muitas pessoas se suicidaram por não se acharem adequadas. Quais seriam hoje as verdades que poderão ser rejeitadas no futuro? Como provavelmente não sabemos, então vamos ser ponderados em nossas considerações! Este é o desafio daqueles que levantam a bandeira das infinitas possibilidades cósmicas.

Então eu apresento essa fórmula simples para muitas das questões de nossas vidas: EXISTEM ESCOLHAS E ESCOLHAS TÊM CONSEQÜÊNCIAS.

Muitas vezes você ficará em dúvida entre o que julga ser o melhor e o pior, mas antes de decidir reconheça que as conseqüências podem não ser aquelas que você esteja disposto a vivenciar. Exemplo: entregue um marginal a polícia; denuncie seu vizinho do tráfico de drogas. Dentro de determinada visão ética isso é o certo, mas e as conseqüências? Você está disposto a pagar o preço? Sempre que for fazer escolhas, observe onde elas poderão estar lhe levando, talvez não seja exatamente aonde você deseja chegar.



7 - Construindo novas realidades

É comum ouvirmos pessoas criticando a vida que levam, contudo não percebem, ou não querem perceber, que estão justamente aonde se colocaram, que foi o somatório de suas opções passadas que os trouxeram até aqui nos dias de hoje. Lógico que com isto não quero justificar as difíceis situações vividas por uma infinidade de humanos, fruto das imposições de realidades dos mais fortes sobre os mais fracos, mas olhando para a humanidade como um todo, vemos claramente que as opções egoístas do passado criaram a decadência que hoje sofremos no nosso mundo.

Todavia não adianta ficar a lamentar-se da posição atual, reconhecer-se como responsável pelo seu momento atual, somado ao fato de que realidades rejeitadas possuem seu lado positivo e suas compensações tornam-se o começo da solução e do alívio para este drama mental.

O que interessa a partir daqui é saber como criar novas realidades que atendam aos seus interesses verdadeiros, aqueles que lhe trarão felicidade, paz e prazer em viver. O primeiro ponto é estabelecer o que quer ou aonde quer chegar, em seguida estabelecer a estratégia ou caminho a seguir, depois reunir forças e por em prática o objetivo.

Aqui tem um ponto a ser observado, você deve buscar criar realidades que correspondam a suas verdades, os seus anseios, não vale a verdade dos outros, os anseios dos outros. Não se sinta egoísta se suas metas não forem altruístas, é melhor do quer ser falso consigo mesmo e com os outros. Você é o que é, gosta do que gosta, e pronto. É você que tem que se aceitar e aceitar seus objetivos e interesses.

Para que algum desejo se torne realidade, é necessário que algumas etapas sejam cumpridas. Primeiro é preciso QUERER que algo se manifeste. Em seguida é precisa SABER quais coisas são necessárias para que aquilo se manifeste. Por fim, FAZER o que é preciso ser feito. Primeiro saber o que quer, depois saber como e se puder: fazer. Aqui é bom lembrar que SABER já engloba o PODER.

Vamos a um exemplo: Quando um jovem QUER ser médico, ele precisa SABER como isso pode se tornar possível: os requisitos necessários, o vestibular, o dinheiro das despesas, o tempo para estudar, estágios, concorrências, etc... E o mais importante: FAZER: desde o desejo inicial até a conclusão do curso há um longo caminho a ser percorrido. Uma falha em um desses pontos, ou mesmo uma interferência não esperada e o processo pode não chegar a acontecer.

Após certo tempo depois da conclusão do curso e já estando exercendo a medicina com segurança, o jovem dirá EU SOU médico, e realmente é, pois o seu mental, o seu emocional e o seu físico concordam com esta afirmação. E todo o Universo também. Não esqueça que o Universo é responsivo. Já ouviu falar que atraímos nossos medos, pois é o Universo materializando aquilo que você acredita.

Observe que há pessoas ficam fazendo declarações e recitando decretos apenas da boca pra fora, não há certeza intima. Para o Universo acreditar em você é preciso que você também acredite, caso contrário estará falando em vão, ou pior, estão dizendo uma coisa e lá no fundo de suas almas estão sentindo justamente o contrário. Aqui é que lanço um alerta para todos aqueles que em suas orações, suas preces ou em seus diálogos internos, ficam declarando que são miseráveis, infelizes, incapazes, inadequados, etc, etc: cuidado!!! A depender da intensidade e da certeza intima o Universo poderá concordar com você e materializar em seu mundo as suas declarações negativas.

A esta altura você chega e diz: mas se eu sofro e se as coisas realmente não estão boas, o que devo fazer? Devo mentir para mim e para os outros? Não! E não foi isso que eu quis dizer. Apenas lhe alerto para o enfoque que você dá a sua vida. O enfoque do queixoso, o enfoque da vítima é próprio daquelas pessoas que não se assumem, nem assumem suas realidades. Assuma suas realidades, aceite-se onde está, estabeleça aonde quer chegar e diga ao Universo eu estou neste caminho, é ali que quero chegar, quem sabe o Universo também concorde com você.

8 ?Unidade ou Dualidade - Escolhendo o modelo.

Quando falamos das coisas palpáveis da vida, percebemos que é possível traçar um panorama das verdades relativas e fazer questionamentos pautados na experimentação, porém quando falamos de Deus chegamos ao campo da genuína especulação. Quem é Deus? O que é Deus? Como é Deus? Como pensa, como age, como vive? Do que gosta? Quais seus objetivos? Quais suas preferências? Pouco nós sabemos, muito nós especulamos. Nos baseamos no nosso modelo mental de racionar e nosso modelo emocional de sentir e a partir destes, imaginamos e traçamos como Deus seria ou deveria ser. Na dificuldade de criar sistemas mais objetivos que conseguisse entender, perceber e explicar Deus, o homem criou as religiões e todas as escolas de pensamentos adequadas às necessidades e interesses de cada civilização.

A ciência quântica e os grandes mestres que nasceram neste Planeta são unânimes em declarar que só ha uma REALIDADE ÚNICA e na base desta realidade SOMOS TODOS UM. Entretanto aqui ficam os questionamentos: Somos todos um? Estamos todos ligados? O eu e o você separados é uma ilusão? Existe uma Unidade além da dualidade?. Esses temas merecem e precisam ser entendidos, estudados e pesquisados, embora pareçam fazer parte do time das coisas especuláveis e subjetivas.

A vida como a conhecemos é dual, aparentemente não há o que questionar, principalmente quando experimentamos o mundo que nos cerca. O quente e o frio, a luz e a escuridão, o prazer e a dor mostram-se antagônicos, contrários em sua natureza. Entretanto em certo nível parecem fazer parte da mesma coisa, pois não existe o limite do quente para frio, da escuridão para luz e mesmo do prazer para dor. O mesmo sistema nervoso que sente dor e frio, também sente prazer e calor, logicamente o que varia é a intensidade de determinadas variáveis.

A partir daqui antes de ficarmos perdidos em decifrar qual o modelo é o correto, prefiro perguntar qual o modelo você escolhe para ajustar sua vida, sua fé e crença espiritual.

No modelo da Unidade, céus e infernos podem até existir, mas não haverá o local excluído, não haverá o local aceito o local rejeitado por Deus. No modelo da Unidade o Sublime, o Sagrado e o Profano são partes da mesma coisa. Na Unidade não existe a pessoa errada que está fora do projeto divino. Na Unidade não existe um caminho evolutivo para se chegar a Deus, afinal já somos Ele e tudo é Ele escolhendo, experimentando e vivendo.

O modelo da dualidade todos nós já conhecemos porquanto é o modelo do pensamento cristão, com sua ética e sua moral, suas definições de certo e errado e seus conceitos do bem e do mal. Nesse modelo seus esforços para tornar-se melhor têm suas justificativas e talvez você não esteja disposto a abrir mão desta filosofia, mas isto é também só uma questão de escolha, afinal a vida é feita de escolhas.

9 - O Carma ? A lei das conseqüências

Por diversas vezes encontrei pessoas dizendo que seus empregos, seus familiares, sua saúde são seus carmas. Expressando uma crença nestas afirmações de que estão sendo castigados, pagando pelos crimes do passado ou colhendo as dores que um dia plantaram. A vida não é bem assim. Esta noção de carma como justiça divina precisa definitivamente ser revisada. O que acontece a nível cármico quando alguém come um alimento estragado que fica com cólicas e diarréias? O que acontece a nível cármico quando alguém toma algumas cervejas e no outro dia acorda com ressacas e dores de cabeça. Haverá alguma punição? Será que existe algum dispositivo existencial punindo quem cometeu tais ações? Ou tudo não passou de conseqüências de opções passadas?

As conseqüências atuais de nossas escolhas passadas não seguem a determinada fórmula matemática onde quem faz o bem recebe o bem e quem faz o mal recebe o mal. Já falamos que não funciona assim, o certo e o errado o bem e o mal dão margens a interpretações e reações diversas. Outro ponto importantíssimo a ser observado é que as reações não são as mesmas de pessoa para pessoa, mesmo se tratando de situações idênticas. Observe que certas coisas que hoje lhe ocorrem provavelmente causariam reações diferentes em outras pessoas. Uma mesma situação leva uns a loucura, outros ao suicídio e outros a total indiferença. A reação é pessoal e está ligada a maneira como você percebe e sente a vida.

Vimos que na visão de Unidade não existe o carma como castigo, punição ou justiça divina. Na Unidade não existem culpados, vítimas e algozes. Na Unidade o Todo multiplicado em cada um de nós faz suas experiências através de nossas escolhas. As conseqüências destas escolhas é o que chamamos de carma: a Lei que rege as conseqüências.

10 ? Ensaio sobre os objetivos da vida

O ser humano não tem a certeza exata do que realmente está fazendo aqui neste planeta, diante da vida. Qual o objetivo da vida? Quem somos? De onde viemos e para onde vamos?. Mesmo em se tratando de conhecimento espirituais trazidos das mais variadas fontes, o conhecimento humano alcança apenas determinada faixa da realidade, além apenas um vazio se apresenta a nossa acanhada percepção e entendimento.

Logicamente, ao longo da existência da vida neste planeta, o ser humano vem especulando sobre todos estes temas e a questão dos objetivos da vida vem evoluindo com o tempo e com a percepção do homem acerca das possíveis verdades eternas. Trago a seguir algumas conjecturas a respeito do que viemos fazer aqui, ou melhor, o que podemos fazer aqui para poder dar a nossa existência um maior significado:

v VIVER A UNIDADE - O entendimento da questão da Unidade, pelo menos de forma inicial, como humanidade é extremamente necessário, porquanto já é demasiadamente evidente que, em se tratando de vida planetária, não existem escolhas individuais, vez que tudo afeta todos. Esse entendimento faz com que busquemos racionalmente os interesses planetários além dos interesses pessoais. Não se trata de sermos bonzinhos e evoluídos, mas porque estamos consciente de que em se tratando de humanidade a questão da Unidade está mais que provada. Como despertamos para o conceito de Unidade dentro da nossa de Humanidade, reconhecendo que não existe ação individual, porquanto ela é coletiva nas conseqüências, é mais que necessário à criação e uso de normas, regras e Leis que beneficiem a todos e não permitam que a falsa noção de individualidade gere liberdade abusiva causando danos indesejados para todos.

v VIVER A ETERNIDADE - Atualmente temos a EQM (Experiência de Quase Morte), a Projeciologia ? Estudo das experiências fora do corpo, estudo dos sonhos, estados alterados de consciência, transcomunicação instrumental, a escrita psicográfica, a regressão por hipnose e tanto mais que nos levam a acreditar a partir de tantas evidências, que a vida continua além da matéria. O aperfeiçoamento deste conhecimento levará o homem a buscar valores que extrapolem os interesses temporários de uma única vida física. Fará sentido os esforços onde busquemos vantagens e compensações além do estado transitório da vida física. Outra coisa, a consciência da continuação da vida, tornará mais forte o ser humano diante dos desafios da vida, porquanto haverá um aumento da consciência da transitoriedade da vida física.

v VIVER A LIBERDADE - Reavaliando as noções de certo e errado, do bem e do mal, possa o homem a partir de então fazer escolhas livres, sem encucações, preconceitos, dogmas, recalques, repressões, etc... Logicamente não esquecendo o conceito de Unidade porquanto a liberdade sem responsabilidade chama-se anarquia e as conseqüências podem ser desastrosas. Nunca esqueça das conseqüências.

v VIVER O PRESENTE - A vida acontece no agora, as recordações do passado e as preocupações do futuro não fazem parte da experiência que acontece instante a instante. Os mestres ensinam: ?esteja presente, é no presente que a vida se encontra?. Essa idéia trás a noção de domínio da mente, pois é esta que flutua além do tempo e do espaço. Então faça yoga, medite, relaxe, domine seu corpo e a sua mente lembrando-se que o objetivo é aprender a viver.

v VIVER COM SABEDORIA ? Não podemos deixar de concordar que foram os conhecimentos adquiridos e acumulados que trouxeram o homem até os dias de hoje. O homem saiu das cavernas e hoje vive em edifícios que ele não chegaria nem a imaginar a tempos atrás. A qualidade de vida, a medicina, o conforto, as facilidades, tudo é fruto do conhecimento. O que é paradoxal é que este mesmo conhecimento foi também usado contra o homem, através das guerras, armas e tudo que foi criado para destruir. O convite aqui é usar a sabedoria adquirida para tornar a vida melhor em todos os sentidos e a benefício de todos. A sabedoria de reconhecer que vivemos na Unidade, dentro da Eternidade, livre (mas com responsabilidade), aqui e agora neste momento presente.

v VIVER O AMOR ? O homem desde sempre buscou o conhecimento para ornar a vida melhor, sempre procurou desvendar o desconhecido, tanto desta vida como da próxima. O homem procurou dominar a vida na terra em todos os sentidos e busca até dominar os espaços além das fronteiras da Terra. Entretanto a coisa mais importante de todas as coisas que ele pode fazer aqui nesta vida é viver o amor. Através de relações harmoniosas, viver emoções e sentimentos gratificantes. Na sua casa, no seu trabalho, na sua cidade, sempre você se encontrará com pessoas e algum lugar a magia pode acontecer, o amor pode acontecer e a vida tornar-se plena de sentido e significado. Vale a pena tentar, vale à pena buscar e acreditar. O verdadeiro amor é o sentimento que flui de alma para alma, além da transitoriedade da forma e pode ser encontrado muito perto de você: amor de pai, amor de mãe, amor de filho, amor de irmão, amor de amigo, amor de homem, amor de mulher, amor de gente.

11 ? CONCLUSÃO

Talvez você não esteja ainda convencido que pode ser responsável por sua vida e criador de suas realidades. Pode inclusive me mostrar uma infinidade de exemplos onde as pessoas nada possam fazer para mudar suas realidades. Entretanto quero só lhe lembrar que hoje ao acordar foi você que decidiu ficar deitado ou levantar; foi você que decidiu procurar trabalho ou ficar em casa; decidiu comer frituras ou verduras; E é você que vai ao longo do dia fazer pequenas escolhas que julgue simples e sem maiores significados. Mas essas pequenas decisões diárias ao longo de uma vida significam muito mais do que você possa imaginar e em se tratando das pequenas escolhas feitas pela de humanidade ao longo de eras foram capazes de levantar ou destruir civilizações inteiras. Talvez você não decida salvar o planeta, pois isso pode ser muito para suas acanhadas inspirações, mas a sua parte só depende de você. A sua vida só depende de você, os outros podem participar, ajudar, incentivar, colaborar, atrapalhar. Inclusive o clima, a bolsa de valores, a política e resultado do futebol ou a opinião do vizinho poderá influenciar, mas no final de tudo não esqueça: suas escolham farão toda a diferença.

RENATO BORBA DE HOLANDA
Renatobholanda@hotmail.com



--
Convidados


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir